quinta-feira, 12 de junho de 2008

... Dia dos Namorados às avessas....

Então hoje é Dia dos Namorados. E observando alguns casais, é bem hoje que eu comemoro o fato de estar solteira. Ironicamente, me sinto privilegiada. Me sinto leve, livre e sem preocupações. E olha, juro que não é despeito. Eu sou romântica sim, e acho uma delícia estar apaixonada. Mas só estando solteira é que a gente consegue se preparar para namorar. Logo faz dois anos que eu estou solteira. Desde que comecei com o primeiro namoro nunca ficava solteira mais de dois meses. Engatava um namoro no outro antes de passar a fase da deprê pelo fim do relacionamento anterior. E é só agora, depois de quase dois anos, que eu entendi o lado bom da solteirice.

Não tem nada melhor do que errar pra aprender certo? Então experimente olhar os erros alheios, assim de fora. Nossa, é um laboratório e tanto. Pior é quando a gente se enxerga nos erros dos outros e pensa o quanto fomos estúpidos. Agora, como observadora, tem algumas coisas que eu não suporto, e acredito que não conseguiria repetir num próximo namoro. Por exemplo: brigas públicas. Credo, que péssimo. Todo mundo acompanhando uma discussão ridícula (geralmente por um motivo idiota) como se fosse novela. Tenho vergonha alheia.

Outra coisa insuportável é a falta de confiança. O medo constante de ser trocado. Sair com os amigos? Não pode. E aqueles casais que trocam senha de email e de orkut? Pra mim isso é o fim da picada. É o cúmulo da falta de identidade. Se tem uma coisa que eu quero levar para os meus próximos namoros é quem eu sou agora, sozinha. Eu não quero mais, de repente, virar a metade de alguém e me perder de mim mesma.

A verdade é que só sendo solteira é que a gente consegue se conhecer. Se entender. Entender quem a gente é quando não é dois. E sabe que eu gostei de quem eu me vi agora? É uma delícia se conhecer. Às vezes dói também, por que nem tudo que tem dentro da gente é legal. Mas a liberdade de poder ser quem eu quiser, de ser espontânea, não tem preço.

Não, eu não sou forte o tempo todo. Sou dona do meu nariz, mas às vezes dá vontade de voltar a ser uma menininha boba e apaixonada. A questão é que, agora, não é qualquer um que entra aqui no meu mundo. Tudo que tem aqui dentro é meu e eu não abro mão. Por isso não basta me beijar do jeito que eu gosto. Tá bom, já é um grande passo. Mas não é tudo. Pra entrar aqui, não pode entrar devagarinho. Tem que chegar derrubando tudo. Me invadir e virar meu mundinho no avesso. E aí, pode ficar tranqüilo. Vai valer a pena.

3 comentários:

Rafaela disse...

Nossaa,Mari acabei de ler esse texto maraaaaaa..
Bom realmente vc tem toda razao..... faz tres meses que estou solteira e aprendi muito comigo mesma nesse tempinho..... nunca tive vontade de parar e pensar em mim como estou tendo agora...è bom a gente se amar....é bom demais ...ser livre ....pensar no que quiser,sem ter horarios para determinadas coisas isso realmente não tem preço.
Tudo isso vale a pena no começo dói mas depois passa.... na hora que uma amiga vem te falar isso vc nem da bola.. mas hj posso te dizer "PASSA".
Beijosss com todo carinho desse mundo....De sua sempre amiga Rafaela***

Diii disse...

Ahammm. Isso mesmo.


BjO

debora cota disse...

Oi mary... Li e reli esse texto varias vezes... será que minha vida seria diferente se tivesse feito o que vc fez?
To pensando ate agora...
E torcendo para ter feito a escolha certa na minha vida!
Bjs