quinta-feira, 4 de setembro de 2008

.... pra quem pensa que sabe tudo...

Sou complicada, teimosa e louca o bastante pra agüentar o tranco dos meus impulsos mais absurdos. Eu erro muito e não tenho medo. Passo a borracha e escrevo de novo. A gente precisa de rascunhos, pra um dia escrever o texto perfeito, ou quase perfeito. Tudo bem, tenho coragem bastante pra sentir demais, pensar de menos e não ter medo de errar, mas continuo com medo de barata, filme de terror, de pessoas que não gostam de crianças e animais. Ah, também tenho medo de assalto, de maníacos psicopatas em geral, de mentira e de chuva forte com trovão.

Não espero perdão de ninguém. De verdade. Porque quando eu erro é em mim que dói mais. E só eu posso me perdoar. Nesses anos eu aprendi uma coisa: perdoar a si mesma é muito mais difícil do que perdoar aos outros. Por isso, acredito na minha consciência quando ela me avisa de alguma burrada que eu fiz. Aí, dou bronca em mim mesma, choro, fico com raiva, faço drama e me perdôo.

O mundo seria um lugar lindo se vivêssemos livres de julgamentos. A maioria das pessoas julga por que tem medo das pessoas livres. A gente se acostuma com limites e passa a vida tentando não ultrapassar essas linhas imaginárias. Tá certo. Eu preciso de limites às vezes, senão vou indo e não páro mais. Mas muitas limitações me fazem perder o gosto pela vida. Não espero que as pessoas entendam esse meu jeito esquisito de tentar viver livre. O que me consola é que tem gente que sabe que sentir é melhor que entender. E eu não sou pra todo mundo mesmo. Sou de quem paga o preço e não tem medo.

Pareço transparente demais e as pessoas acham que sabem muito sobre mim. Vai ver eu sou mesmo só uma criança com conta no banco e cartão de crédito. Uma menina bobinha presa num corpo de mulher. Pra mim, o que vale a pena nessa vida são as pequenas coisas. Fico feliz quando como chocolate, escrevo, compro maquiagens coloridas, ganho beijo de surpresa, abraço apertado, ouço uma música linda, vejo meus amigos, recebo uma mensaginha no celular e me sinto importante pra alguém.

A verdade é que o que tenho de melhor está bem escondido. Não é qualquer um que consegue ver. Se engana quem acredita que sabe tudo o que sinto e penso. Não gosto de quem tem a pretensão de me analisar logo de início. Tem que esperar pra ver. As surpresas sempre vêm. Mesmo quando você acha que já viu de tudo.

E quem continua aqui, do meu lado, provavelmente já desistiu ou vai desistir de me entender. Essas pessoas acreditam, mesmo sem provas concretas, que o que eu tenho de mais bonito tá aqui dentro, é invisível aos olhos. Quem me quer não acredita em pré-conceitos, primeiras impressões e rótulos. Não sei direito qual o meu tamanho, mas tenho certeza que o meu coração é maior que eu.

5 comentários:

Ana Claudia disse...

UIA!UIAA!UUUUUUIIIIIIIIAAAAA!!!

Noosssaaa, p/variar me identifiquei total com esse texto!!!Sou igualzinha, Má!!Vc sabe...principalmente qdo vc diz q as pessoas sempre se surpreendem e nunca viram de tudo, por mais q "pensem" q nos conheçam de verdade...e surpreendemos da melhor forma(tá, não agradamos todo mundo sempre) mas, realmente, aqui e aí dentro batem corações do tamanho do universo!ok..lado Cazuza, exagerada nada..rs).
Aii..preciso escrever..tô numa correria...rs...logo atualizo o blog tb...

Bjoo, querida!E precisamos comemorar seu niver! Não esqueci!ahahahahaha...

Ana Claudia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Claudia disse...

Ahh, AMEEII a foto!!!!!!!!
Linda,linda,linda!!!!!!rs.

Bjoooooooooo!!!!!!!!!!

Renata disse...

Não tenho nada a dizer além de que o texto ficou lindo! E eu fiquei a cada linha tentando me adequar e me comparar com o que vc escreveu sobre você, simples, porém mais intenso pra quem consegue ver.
Muito legal, adorei.
Beijos.

Ana Claudia disse...

Oiie!!

Texto novo no meu blog!(Até que enfim, né??rs.)

Bjo, querida!!