quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

...se acaba, não é amor....

Não acredito em amor que acaba. O amor, quando é de verdade, continua sempre lá, mesmo quando o ser amado foi embora. E isso acontece por um motivo simples. A gente ama sem motivos. Sem explicação e sem condições. Não dá pra escolher. E a gente não ama só por que a pessoa está do nosso lado. A gente ama e ponto. Não tem controle. No amor não cabem vinganças, nem ciúme doentio e nem humilhação. Mas cabem mudanças. O amor é tão grande que cabem muitas mudanças dentro dele. Essa é uma das coisas mais lindas sobre o amor. Ele pode ter mil cores, gostos e formas.
Quando a gente encontra alguém que ama de verdade, não tem medo de dizer que vai amar pra sempre. Por que a gente tem certeza. Absoluta. Se o relacionamento acaba, o amor fica. E muda. Por que geralmente não deixa mágoas. Deixa tristeza. Mas uma tristeza que passa e dá lugar ao seu novo amor. Pela mesma pessoa.
É normal a confusão que fica quando quem a gente ama não está mais do nosso lado. A gente sofre, sente saudades e às vezes faz besteira, lógico. Mas isso passa. E o amor, que continua lá, muda. No começo é difícil. Funciona assim: a gente sente uma coisa, mas não sabe como, nem porquê e tem uma dificuldade enorme em lidar com isso.
E é nessa hora que a gente começa, finalmente, a entender que o amor é um sentimento que transcende. Que não existe pra ser entendido. Não precisa de provas concretas. É maior do que aquilo que se vê. É esquisito, intenso e incondicional. A gente não quer a pessoa de volta. Mas ama. Ama e quer que ela seja feliz. Como e com quem ela quiser. Não dói mais. Não existe mais ciúme. Existe preocupação. Carinho. E um monte de outras coisas que cabem dentro do amor. O amor é infinito, não tem prazo de validade. E muda quantas vezes forem necessárias.
Então eu percebi que eu te amo. Talvez falar isso pareça muito forte pra algumas pessoas. Mas não é. Pra mim parece muito simples. Nosso amor mudou. Nós mudamos. Eu tenho a minha vida. Você tem a sua. E temos algumas coisas, pessoas e sentimentos que nos unem. De uma forma que não faz mal. Nem nos prende. Nosso amor é livre.
E o meu coração é grande. Ele é grande e tem uma capacidade de regeneração impressionante. Tanto que dentro de mim cabem vários outros amores além do seu. Inclusive aquele que eu ainda não conheço e que vai fazer o meu mundo girar de novo. Ainda amo minha casa, meus amigos, minha família, meus cachorros. E cada amor é um. Nenhum é igual ao outro. Mas todos eles, todos os meus amores, valem a pena e não têm fim.

4 comentários:

juliana disse...

Lindo Mari...mas discordo quando você diz que amor que é amor não acaba, ele sim se transforma...concordo com vinícius: que seja eterno, posto que é chama...e infinito enquanto dure...nossos coraçõezinhos andam sofrendo, hein! bjos amiga!

Diii disse...

Adoreiiii e concordoooo!!!!

Lindão, MAri!!!

Gostei dos "meus" cachorros..rsrssr

BjOO

Letícia Junqueira - Lady Erinyes disse...

Talvez seja esse o grande problema do amor: ele não acaba nunca.

Sua maior vantagem é seu maior defeito...

Thais França disse...

Lindo, acabei de entender o motivo de um fantasma. É que mudou, mas ainda amo. Ah, o amor... Confunde a gente, como dizia num pagode qualquer.