quinta-feira, 29 de novembro de 2007

...Não podia ser só insônia...

Algumas noites são longas. Difíceis. Parecem aqueles dias sem cor. Cinzentos e gelados. A casa fica vazia, silenciosa e as paredes frias. E a gente começa a ver e sentir coisas estranhas. É mais complexo que insônia. Tem alguma coisinha bem complicada que me tira o sono. Não sei o que é. Mas está lá.

Então penso em escrever. Quero escrever todas as histórias bonitas que eu não vivi. Escrever o que eu amo. O que eu odeio. Escrever tudo aquilo que me faz querer fugir. E me salvar. Criar asas e ir pra um mundo novo. É isso. Preciso escrever. Sentir o impossível. E é nessa hora, quando tento fechar os olhos e voar que eu me lembro. Lembro daquela coisinha. Uma coisinha complicada que não me deixa dormir e prende meus pés no chão. Nesse chão frio. Penso mais um pouco. Ligo o som porque o silencio me incomoda agora. Olho em volta. Minhas roupas jogadas no chão, tudo fora do lugar, caixas cheias de passado, livros e papéis, muitos papéis. Reviro tudo. Ta lá. Uma folha de papel escrita a lápis. Letras miúdas. Letras que me dizem muito. Achei o que eu procurava.

Naquele papel, estavam três palavrinhas que contam a minha história. O nome do meu livro. Só eu sei. Talvez eu e mais alguém.

Agora posso dormir.

3 comentários:

Dhiii disse...

Hahahaha... apesar de não ter "entendido" muito bem.. adorei!!!!


BjOoOO!!!!

revasc disse...

Um livro é sempre uma boa notícia... E com certeza você escolheu um título característico e que tem a ver com você.

Beijos
Renata
http://bruxadeblu.zip.net

ALF disse...

Tem muita coisa que também não sei realmente que me aflige. E nos resta a desabafar a nos expor, botar pra fora essas angústiqas que nos arremete.

uma forma de alívio, de fuga, de leveza. Eu entendo.

;)

querida, que bom que reapareceu. Blog novo e alma nova.

apareça sempre.

E se puder ir nesse momento, tem Festa por lá no meu.

beijos